*
*
*
*
*
*
*


"Mestre, como faço para não me aborrecer?
Algumas pessoas falam demais,
outras são ignorantes.
Algumas são indiferentes.
Sinto ódio das que são mentirosas.
Sofro com as que caluniam.

Pois viva como as flores!, 
advertiu o mestre.

Como é viver como as flores?
perguntou o discípulo.

Repare nestas flores, continuou o mestre,
apontando lírios que cresciam no jardim.
Elas nascem no esterco, entretanto,
são puras e perfumadas.
Extraem do adubo malcheiroso tudo
que lhes é útil e saudável, mas não
permitem que o azedume da terra
manche o frescor de suas pétalas.

É justo angustiar-se com as próprias culpas, 
mas não é sábio permitir que os vícios dos outros 
o importunem. Os defeitos deles são deles e não seus.
Se não são seus, não há razão para aborrecimento.

Exercite, pois, a virtude de rejeitar
todo mal que vem de fora...

Isso é viver como as flores."


AUTOR DESCONHECIDO
Se você souber de quem é a autoria deste texto peço a gentileza de me 
comunicar por email para que seja dado o devido crédito
paixaoeternura@terra.com.br
  


Quer enviar esta mensagem para alguém especial?

Click na imagem abaixo


     

Adicione "Paixão e Ternura" aos seus Favoritos


     
 Página editada em 22/09/2003

Atualizada em 06/01/2006  


PAIXÃO E TERNURA By Terê Paetê

Todos os direitos reservados. All rights reserved.


http://www.paixaoeternura.com