AINDA CHORO...



Choro doído, sabendo que de nada adianta
Choro sentido mas sempre deixando para depois
temendo a tristeza e a solidão.
Sempre a espera, um, dois três dias...
  
  

Era inevitável, os acontecimentos estavam ali.
Não era necessário explicar nada
Porque não havia nada a esperar
A hora havia chegado...



Sabíamos que um dia seria o fim. 
E esse dia chegou, 
nosso coração marcado pela dor. 
Deixei o sorriso triste de lado e desabei 
a chorar, chorar sem nada esperar...



O que eu sentia era um doce encanto
que nem sei descrever, parece que sempre existiu
E agora eu alí, muda, sem saber o que falar
Senti as lágrimas rolar, sabendo que era o fim.



Esta dor nunca será cicatrizada
mais uma vez fui vítima do destino.
Destino talvez que eu mesma tenha traçado
E que neste sofrimento compreenda e saiba como lutar por um amor. 

 

Rayma Lima 16.01.04
 

®DireitosAutoraisReservados©
Proibida a cópia sem autorização da autora.

Veja outras obras da autora em seu  SITE

 

Quer enviar para alguém especial?

Click na imagem abaixo


 
Adicione "Paixão e Ternura" aos seus Favoritos

 
   


   

Página editada em 19/02/2004

Atualizada em  06/01/2006



PAIXÃO E TERNURA By Terê Paetê

Todos os direitos reservados. All rights reserved.

http://www.paixaoeternura.com