Amor Não Exigente

É sublime amar assim,
sem poder se ver.
É o amor manifesto
com outra expressão.
É puro amar assim,
sem nada querer.
Talvez seja esta
uma legítima afeição.

Não nos pertencemos
e no entanto, nos temos.
Nada esperamos
e se esperamos, sofremos.
Mas, lá no cerne
do quanto nos queremos,
sobrevive a tênue esperança
de que ainda nos veremos.

São longínquas esperanças,
remotos anseios...
mas não temos vivido
destes devaneios?
Quando o amor é grande
a gente não esquece.
Os ânimos se altercam,
a chama arrefece,
parece que vai morrer
e de repente aquece.
É que o "coração tem razões,
que a própria razão desconhece".
 

Fátima Irene Pinto
Do Livro
"Murmúrios da Alma"


Visite o site da autora:
  www.fatimairene.com
 

 



 


 
Adicione "Paixão e Ternura"aos seus Favoritos

  



Página editada em 30/11/2006

Atualizada em 30/11/2006
 

PAIXÃO E TERNURA By Terê Paetê

Todos os direitos reservados. All rights reserved.

©Luvdalot Graphics & Design

http://www.paixaoeternura.com